Acampamento e trilhas em Urubici


Urubici é uma das cidades da região serrana de Santa Catarina. Localizada a uma altitude acima de 900 metros, chegando a pontos acima de 1800 metros de altitude, é uma das cidades mais frias do Brasil, apresentando temperaturas abaixo de zero.

Distante cerca de 170 km de Florianópolis, o caminho mais tradicional entre a capital e Urubici é através da BR 282 e SC 110 (há outras opções com mais aventura).

A lista de atrativos de Urubici é extensa, portanto para visitar todos, precisa reservar muitos dias, especialmente se quiser fazer as trilhas da região. Entre os mais conhecidos estão a Cascata Véu de Noiva, Cascata do Avencal, Morro do Campestre, Morro da Igreja e Pedra Furada e a Serra do Corvo Branco, mas a cidade abriga inúmeras outras joias.


Período escolhido

Nossa escolha para visitar Urubici foi o período do carnaval de 2021, chegando na sexta, 12 e saindo na segunda, 15.

Normalmente já buscamos opções assim para finais de semana e feriados, nesse ano, devido a pandemia foi ainda mais importante.


Hospedagem

Nosso objetivo era acampar em Urubici, por isso buscamos opções que atendessem a essa necessidade. Nossa escolha foi o Terras do Sul Ecoturismo, distante cerca de 20 km do centro da cidade, no caminho para a Serra do Corvo Branco.

O local conta com área para camping, hostel e acomodações em cabanas, como a charmosa casa da árvore. Além disso, toda estrutura de banheiros, cozinha e churrasqueiras. Para quem não quer preparar todas as refeições há dentro do camping um bar e creperia francesa.

Toda essa estrutura está às margens do Rio do Bispo, com vários locais para banho e vizinho ao Parque Nacional de São Joaquim, então prepare-se para se apaixonar pelo visual da serra, com mata nebular e de araucárias.


Nossas refeições

Como o camping oferece a estrutura da cozinha, desta vez não levamos fogareiro e preparamos as três refeições do dia lá, com a exceção de um almoço que fizemos churrasco próximo ao rio.


Tempo e Temperatura

Mesmo sendo uma cidade serrana, pegamos uns dias de calor, especialmente próximo ao meio dia, porém nos extremos do dia os casacos eram fundamentais. Além dos sacos de dormir que já são bem quentinhos, levamos mais alguns cobertores para o meio da noite.

Não foram dias inteiros de sol. Todos os dias que passamos lá seguiram um padrão: amanhecer fresquinho, calor até o começo da tarde e chuva à tarde (em alguns dias chuva forte). Depois à noite, momentos de céu estrelado.

Nossa barraca tem uma boa coluna d'água, então mesmo com a chuva mais forte foi tranquilo ficar ali.


Programas no Terras do Sul

Conseguimos aproveitar o próprio ambiente do camping: caminhada, banho de rio, balanço (para maiores de 18 anos) e céu estrelado deslumbrante.

Um dos grandes atrativos do local é estar no início de algumas belíssimas trilhas, então o sábado e o domingo foram de trilha, partindo a pé da nossa barraca


Cachoeira da Esfinge

A trilha tem início passando a ponte do estacionamento do camping, acessando outra propriedade (conversamos com os donos para fazer a caminhada).

Uma trilha de 3,3 km ida e volta, com pouca variação de altitude.

Ficamos encantados durante todo o percurso com a quantidade de xaxins e araucárias que encontramos, parecia cenário de filme.


A cachoeira, uma queda d'água com cerca de 100 metros de altura, que em alguns pontos escorre pelo paredão de arenito.


Trilha do Morro Comprido, ou Trilha da Pirâmide

Este foi o maior desafio já vivenciado por nós, em família.

Também partimos do camping, acessando a área do Parque Nacional de São Joaquim.

Ao todo percorremos 7,3 km, porém, partimos de 957 metros de altitude e chegamos a 1446 metros. Aquele tipo de subida no qual nos enganamos muitas vezes: quando parece que o cume está próximo, vemos que ele está atrás, ainda mais alto.

No começo da caminhada, cruzamos o Rio do Bispo algumas vezes, e em uma delas precisamos tirar os calçados, pois a água chegava até metade da perna.

Mais no alto, alguns trechos de campos alagados também exigiram atenção para que a gente não afundasse.

No topo, pura contemplação! O visual se estende pelos longos paredões das bordas da Serra Geral, e embora o sol estivesse quente, o ventinho era gelado, característico da serra.

Na subida levamos 2:20h e na volta a metade do tempo. Além do óbvio, de ser mais fácil descer, nuvens escuras se aproximavam e tivemos receio com relação a raios e aumento do nível do rio. Chegamos no camping cerca de 2 horas antes da chuva.


Outros passeios em Urubici

Como falamos no começo do post, são inúmeros atrativos na cidade e como tínhamos um tempo curto, precisamos escolher alguns, tentando fugir um pouco dos mais conhecidos, para evitar aglomerações.


Inscrições Rupestres - Guardião do Avencal

O Guardião do Avencal é um bar café, localizado na entrada do Sítio Arqueológico Morro do Avencal 1. O nome faz referência a uma das inscrições rupestres encontrada no paredão, que é o chamado guardião.

Nos paredões de arenito além de pequenas cavernas, inúmeras outras inscrições milenares podem ser apreciadas.

Seguindo por uma caminhada curta ainda podemos chegar a um local que proporciona uma vista deslumbrante para a conhecida Cascata do Avencal.


Colheita de frutas orgânicas

Visitamos a cidade na época de colheita da maçã e procurando um local onde pudéssemos viver a experiência de colher as frutas, encontramos o Fruta Fina Orgânicos. Neste local há a produção orgânica de frutas como amora, framboesa e morango e é possível realizar o "colha e pague". Foi uma experiência incrível e deliciosa.

Trouxemos para casa, além dos frutos colhidos, outros produtos produzidos por eles, como geleias e catchup frutado.

O acesso é feito no caminho para o Cânion Espraiado.


Serra do Corvo Branco

Escolhemos voltar para casa por um caminho diferente da ida, através da Serra do Corvo Branco.

Esta estrada é uma das mais desafiadoras de Santa Catarina, com suas curvas fechadas, ladeadas por penhascos imensos. Por outro lado, o visual é simplesmente espetacular desde o início. Aquela grande fenda de 90 metros na rocha arenítica que começou a ser feita em 1957 e marca o começo da descida.


Voltamos para casa com a total sensação de ter deixado de fazer muita coisa por lá, então o planejamento para este ano é voltar a Urubici muitas outras vezes, especialmente no inverno.