O Caminho Brasileiro de Santiago de Compostela


Você sabia que em Florianópolis é possível fazer uma parte do caminho de Santiago de Compostela?


Pois é!!! Trata-se de um caminho de aproximadamente 21 quilômetros no Norte da Ilha de Santa Catarina que foi reconhecido pela Catedral de Santiago de Compostela, na Espanha, como parte do trajeto histórico. Podendo inclusive, ser usado para a contagem da quilometragem necessária para obtenção da Compostela, o cobiçado certificado de peregrino. Serve também como um preparativo, para quem deseja percorrer o caminho lá na Espanha.

Mapa do Caminho Brasileiro de Santiago

Para ser aceito como parte do Caminho de Santiago o trajeto precisa ter ao menos 20 km e passar por 4 igrejas. O caminho em solo catarinense cumpre esse requisito, incluindo 2 trilhas no seu percurso.


A História do Caminho na Europa

Origem da palavra peregrino

O Caminho de Santiago de Compostela remonta a Idade Média, quando os fiéis começaram a fazer essa peregrinação para a Catedral de Santiago de Compostela, local onde estaria enterrado o corpo do santo. Reza a lenda ou conta a história que Tiago, apóstolo de Cristo, após a morte de seu mestre, parte em evangelização passando pela Palestina e chegando até a Espanha e posteriormente retornando à Palestina, onde foi morto decapitado a mando de Heródes Agrippa. Segundo a lenda, dois de seus discípulos levaram o corpo até o local onde se encontra atualmente a Catedral de Santiago.

Há relatos de peregrinações já no século IX, em busca das bênçãos do santo amigo de Cristo. Essas peregrinações cresceram na Idade Média e posteriormente foram quase esquecidas, sendo retomadas apenas no século XX.


O caminho brasileiro

O caminho brasileiro foi instituído em 2017 e percorre um trajeto entre Canasvieiras e Ingleses, no Norte da Ilha da Magia, passando por trechos de praia, ruas e trilhas.


Igreja de Canasvieiras

A jornada tem início na Igreja Nossa Senhora de Guadalupe, em Canasvieiras. Essa igreja foi inaugurada em 2002 e consagrada à Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América Latina, em decorrência de Canasvieiras ser um bairro que costuma receber muitos turistas latinos, especialmente da Argentina, Uruguai e Paraguai.

Início do Caminho Brasileiro de Santiago, na igreja de Canasvieiras

O bairro recebeu esse nome, Canasvieiras, em decorrência da existência de canas-vieiras (Arundo donax), uma espécie de gramínea de longo porte, também conhecida como cana-do-reino. Não é utilizada para a fabricação de açúcar, sendo mais parecida como bambu. Atualmente não se vê essa espécie na região.

Credencial do peregrino

Canasvieiras também foi palco de um evento importante na história de Santa Catarina pois foi o local de desembarque da tropa espanhola que invadiu e tomou a Ilha em 1777, ficando em posse da região durante aproximadamente um ano.

Nesta igreja é possível adquirir a credencial do Caminho de Santiago de Compostela com os carimbos que representam as quatro igrejas que fazem parte do trajeto. Em maio de 2022, era vendida à R$ 20,00 cada.


Igreja de Ponta das Canas

Caminhada pela Praia de Canasvieiras

Saindo da Igreja de Canasvieiras, segue-se por toda a orla da praia até chegar no final da praia da Cachoeira de Bom Jesus, onde tem início um longo trajeto pelas ruas do bairro, até a Igreja de São Pedro, em Ponta das Canas.


Esse bairro recebeu esse nome por tratar-se do final da praia de Canasvieiras, a ponta de Canas. Trata-se de um bairro que até a década de 1980 era essencialmente ocupado por pescadores, motivo pelo qual a igreja recebeu como padroeiro São Pedro, um pescador.


Após a Igreja São Pedro percorre-se mais um trecho por ruas até chegar à praia da Lagoinha, também conhecida como Lagoinha do Norte ou Lagoinha da Ponta das Canas (não confundir com a praia da Lagoinha do Leste) a qual é percorrida em toda sua extensão pela faixa de areia. Ao final, tem que sair para a rua novamente, mas apenas por alguns metros, porque daí vem a melhor parte, na nossa opinião.

Igreja São Pedro de Ponta das Canas

Trilha do Rapa

A trilha do Morro do Rapa, tem início logo após a Praia da Lagoinha. Uma trilha belíssima, que oferece o primeiro grande desafio da jornada, o ganho de altitude de cerca de 160 metros, mas também inúmeros mirantes naturais. O primeiro deles é um imenso janelão de rochas que possibilita um visual incrível da ponta do Rapa, o ponto mais ao Norte da Ilha de Santa Catarina.

Andando mais um pouco chega-se a outro mirante natural de onde é possível avistar toda a praia da Lagoinha, Canasvieiras e parte do continente. Neste local conseguimos ter uma noção do tanto que já foi caminhado.

Trilha do Rapa

Mais alguns metros à frente outro mirante, que é uma rampa de parapente e de onde há um visual incrível de boa parte do Norte da Ilha de Santa Catarina com as praias Brava, Ingleses e Canasvieiras.


Trilha das Feiticeiras

Saindo da Trilha do Rapa, percorre-se mais um trecho de ruas até chegar à Praia Brava. No costão Sul da Brava tem início a Trilha do Morro das Feiticeiras. Neste local, ainda na Brava é onde segundo Franklin Cascaes, ocorreu o congresso bruxólico, uma convenção das bruxas com o diabo, uma das diversas narrativas populares da Ilha que Cascaes registrou.

Subida ao Morro das Feiticeiras

A trilha do Morro das Feiticeiras não oferece mirantes naturais mas uma imersão intensa na Mata Atlântica em regeneração.

O final da Trilha do Morro das Feiticeiras ocorre na ponta norte da Praia dos Ingleses.


Praia dos Ingleses

Vencidas as duas trilhas, a caminhada final ocorre inteiramente pela Praia dos Ingleses. A praia recebeu esse nome em decorrência do naufrágio de corsários ingleses no século XVII, que foram presos pelo fundador da cidade de Desterro (antigo nome de Florianópolis), o bandeirante Francisco Dias Velho e que anos depois voltaram à ilha para vingar-se, matando Dias Velho na região onde atualmente é igreja matriz.

Praia dos Ingleses

O caminho segue por quase toda a orla da Praia dos Ingleses, cerca de 4 km, até chegar à Igreja de Nossa Senhora dos Navegantes. Essa é a mais antiga das igrejas do caminho, datada de 1839. Assim como a Igreja de São Pedro, está muito próxima ao mar e ligada à pesca, afinal muitos pescadores são também navegadores.

Chegada na Igreja dos Ingleses

O trecho final (2 km) ocorre todo por ruas do bairro dos Ingleses até a chegada no Santuário do Sagrado Coração de Jesus. Essa chegada normalmente é feita cheia de júbilo, não só pela sensação de vitória, mas também pela alegria de ter-se vivido momentos intensos de reflexão em contato direto com a natureza.

Apesar do trajeto antigamente ser destinado ao culto à Santiago, atualmente a peregrinação tem muito mais um cunho ecumênico, da congregação de pessoas que buscam paz e autoconhecimento através da caminhada e reflexão.


Informações e Guiamento

Se quiser acompanhar esse trajeto sozinho, segue o link do nosso Wikiloc e as informações repassadas pela Associação Catarinense dos Amigos do Caminho de Santiago de Compostela.


Mas se você se sente inseguro ou quer ter informações culturais e históricas durante o caminho, entre em contato com a gente, que guiamos você por esse trajeto.


797 visualizações0 comentário