top of page

Como chegar e o que fazer na Lagoinha do Leste e Morro da Coroa

A Praia da Lagoinha do Leste é uma unanimidade para quem vem à Florianópolis em busca de aventura, belas paisagens e fotos incríveis de recordação, especialmente no Morro da Coroa. Acessado apenas por trilha ou barco, esse paraíso é realmente um dos pontos mais belos do litoral catarinense e brasileiro. Então, queremos com esse post mostrar em detalhes como chegar, o que fazer e como curtir essa praia incrível.


Como chegar por trilha:


Existem três roteiros para chegar à praia da Lagoinha do Leste. Duas delas saindo do Pântano do Sul e outra saindo da Armação.


Pântano do Sul:


Partindo da Praia do Pântano do Sul, a trilha tem início na Rua Manoel Pedro Oliveira. Se for de carro, há estacionamentos bem em frente que cobram R$ 20,00 por carro (janeiro 2023), costumamos deixar no segundo estacionamento do lado direito da rodovia, porque possui banheiros e os atendentes são bem atenciosos.

Cerca de 100 metros após o início da rua, há uma placa que indica o começo da trilha, à esquerda. Daí é pernas pra que te quero, são 1,4 km de subida até chegar ao topo de um ponto onde há uma bifurcação. Aqui é necessário fazer uma escolha do roteiro que se pretende seguir.

Continuando reto, pelo caminho mais batido, chega-se diretamente à Praia da Lagoinha do Leste. Se quiser ir primeiro para o Morro da Coroa e depois pra praia, é necessário tomar a trilha à direita, um pouco mais fechada. Essa segunda opção é a nossa recomendação para quem quer ir no Morro da Coroa, porque evita a subida desgastante de quem vai pela praia.

Para quem decide ir diretamente para a praia, a partir desse ponto começa a descida. Então é mais tranquilo, precisando somente de algum cuidado com as quedas porque em alguns trechos a trilha é bem escorregadia. Percorrendo aproximadamente 1 km você chegará na parte sul da praia. Se decidir ir ao Morro da Coroa, partindo da praia, há uma trilha com início no costão à direita, mas prepare o fôlego pois é uma subida muito íngreme e escorregadia, cheia de pedras soltas, toda ela sem cobertura de árvores o que torna o trajeto extremamente desgastante, especialmente em dias de sol forte.

Se a escolha for ir primeiro para o Morro da Coroa, o trajeto é feito por uma trilha mais estreita, que passa por um trecho de floresta com muitas raízes e pedras, que tornam o trajeto um pouco cansativo e trabalhoso, mas muito bonito. Tem que tomar cuidado porque há algumas bifurcações que podem confundir, então é importante estar usando um aplicativo de navegação (Let’s Hike ou Wikiloc) ou ir com alguém que conheça o caminho. Por este trajeto, caminhando mais 1,2 km a partir do final da subida você chegará até o Morro da Coroa com a sua famosa pedra do surfista. Mas muita atenção!! Não se pendure nas pedras, já ocorreram acidentes porque as pessoas não tomam o devido cuidado e se arriscam inutilmente por uma fotografia.

Se a partir do Morro da Coroa, você decidir ir até a praia, aí começa a grande descida, íngreme e escorregadia, muita atenção para não cair durante os cerca de 600 metros que levam à praia.


Armação:

Outra alternativa para chegar à praia da Lagoinha do Leste é iniciando a caminhada na Praia da Armação. Partindo da Rua Luiz Gonzaga dos Santos, começa a jornada, passando por uma ponte sobre o Rio Sangradouro, para chegar à linda praia de Matadeiro. Ao final da praia a caminhada já acumula 1,3 km, e tem início a trilha efetivamente. São 4 km por trechos de costão, com um belíssimo visual, até chegar à ponta norte da praia da Lagoinha do Leste. Apesar de ser bastante desgastante em decorrência da distância, o visual pelo trajeto compensa muito. Cuidado especial deverá ser tomado nas partes que passam próximas ao costão para evitar quedas.

Chegando à praia você pode escolher se retorna direto ao Pântano do Sul ou se passa primeiro pelo Morro da Coroa, utilizando as trilhas do Pântano, descritas anteriormente.


Nosso pós trilha favorito é um caldo de cana com pastel, sempre paramos no Pico da Trilha, um local na descida, assim que finalizamos a trilha no Pântano do Sul.



Como chegar de barco.


Durante a temporada, a cooperativa de pescadores do Pântano do Sul realiza a travessia de barco, partindo da Praia do Pântano do Sul. Também é possível ir pela trilha e voltar de barco, na praia alguns barqueiros organizam a volta, mas o ideal é programar com antecedência entrando em contato com os responsáveis pela travessia.


Infraestrutura:


Durante a temporada a Floram (Fundação Municipal de Meio Ambiente) realiza editais para permitir o comércio de bebidas e aluguel de cadeiras e guarda-sóis na orla da praia da Lagoinha do Leste. Fora da temporada esse comércio é proibido e inexistente. Portanto, esteja atento a época do ano, para não passar apuros por falta de água durante a jornada. Importante também é verificar se o vendedor é autorizado, pois diversos comerciantes ilegais estão na praia sem preocupar-se com o meio ambiente sensível do local. Segundo regras da Floram, os vendedores autorizados têm que disponibilizar a autorização no local e são responsáveis, entre outras coisas, por recolher o lixo e cuidar do meio ambiente.


O Morro da Coroa

Fazendo o limite Sul da Praia da Lagoinha do Leste está o Morro da Coroa. Olhando de longe podemos ver claramente o ponto que divide a floresta tropical do costão rochoso.

As rochas dispostas no alto do morro são responsáveis pelo seu nome, já que estão dispostas de uma maneira que lembra as pontas de uma coroa.

A formação rochosa da Ilha de Santa Catarina tem predominância de rocha vulcânica, o granito, porém o tipo e forma como estão localizadas as rochas no Morro da Coroa dão pistas de uma formação originada por uma explosão vulcânica. Como estamos falando de um período há cerca de 500 milhões de anos, no qual os continentes não tinham este formato, não significa dizer que o Morro da Coroa era um vulcão, mas sim que na geografia da época tudo indica que havia um ali.


O Parque Natural Municipal da Lagoinha do Leste


O Parque Municipal da Lagoinha do Leste foi instituído em 1992 com o intuito de salvaguardar a paisagem natural, a fauna e a flora e proteger o manancial hídrico da Bacia Hidrográfica da Lagoinha do Leste. Em 2018, através da Lei 10387, foi recategorizado como Parque Natural Municipal da Lagoinha do Leste, atendendo ao Sistema Nacional de Unidades de Conservação, o SNUC.


São objetivos desta Unidade de Conservação:

I - Garantir condições para a preservação e a restauração da diversidade de ecossistemas naturais;

II - Contribuir para a preservação da diversidade biológica e dos recursos genéticos, florísticos e faunísticos;

III - Proteger paisagens naturais de notável beleza cênica;

IV - Promover a proteção e recuperação de ambientes degradados;

V - Proporcionar meios e incentivos para atividades de pesquisa científica, estudos e monitoramento ambiental;

VI - Favorecer condições e promover a educação e interpretação ambiental, a recreação em contato com a natureza e o turismo ecológico;

VII - Proteger os recursos naturais em compatibilidade com as populações tradicionais que vivem em seu entorno, respeitando e valorizando seu conhecimento, a cultura e promovendo-as social e economicamente; e

VIII - Proteger as características relevantes de natureza geológica, geomorfológica, espeleológica, arqueológica, paleontológica e cultural.


Grande parte da área do parque foi utilizada antigamente para a agricultura e pecuária, porém após o declínio destas atividades no início do século XX, teve início o processo de regeneração da vegetação sendo possível observar diversas fases de regeneração, até a floresta secundária, principalmente no maciço norte da praia. Encontramos ainda outros ecossistemas como os costões rochosos, restinga e mangue na área dessa unidade de conservação.

Imagem obtida no Mapeamento Fitogeográfico do Parque Natural Municipal da Lagoinha do Leste


Além da vegetação maravilhosa, com embaúbas, orquídeas, cedros canjerana entre outras, a fauna é muito diversificada, com martim pescador, carcará, cobra coral, gambás, graxains e até lontras.


Com sua beleza cênica surpreendente, esse paraíso tem que ser preservado, portanto, ao visitá-lo seja consciente.

  • Não alimente os animais, principalmente os saguis, uma animal exótico e invasor, que adoram ganhar um agrado, mas que acabam se proliferando e competindo com as espécies nativas.

  • Não arranque flores e outras plantas.

  • Caminhe somente pelas trilhas demarcadas e

  • Leve seu lixo de volta, não há coleta de lixo pelo poder público (você levou o produto na mochila é sua responsabilidade trazer o lixo de volta e descartá-lo adequadamente).

A Lagoa que dá nome à praia, na verdade uma laguna devido ao contato que tem com o mar em alguns momentos, tem sua foz no canto norte da praia. É formada por cursos d'águas que se nascem nos morros que cercam a praia e correm para o mar.


O que fazer na Lagoinha


Além das trilhas, muitos praticantes de surf vão à praia da Lagoinha do Leste em busca de boas ondas. Segundo o Surf Forecast, a melhor época para surfar é no inverno com vento nordeste.

Ainda não há regulamentação para camping. Segundo a legislação, as áreas e as regras para acampamentos deveriam ser definidas no plano de manejo, mas até o momento ele não foi elaborado.

Apreciar o nascer do sol no alto do Morro da Coroa também é uma experiência incrível. Nós fazemos a trilha durante a madrugada e chegamos na hora do espetáculo para acompanhar lá do alto.

Por fim, outra atividade maravilhosa para fazer na Lagoinha do Leste é curtir a praia. Na temporada há guarda vidas no local. Então, a areia fofa e o mar limpo são um convite para sentar e apenas curtir.


4 visualizações0 comentário
bottom of page