Crianças e natureza

Atualmente, o estilo de vida adotado pelas famílias dificulta uma conexão forte entre os pais e as crianças e por muitas vezes são gastas diversas horas do dia em frente a computadores, televisões e celulares. A insegurança também impede que as crianças brinquem nas ruas, como se fazia antigamente. Este estilo de vida acaba tornando as pessoas sedentárias, com sobrepeso, carência de vitamina D, dificuldades para dormir e consequentemente prejudicando sua saúde.

Segundo pesquisa realizada pela Nestlé e Ibope, 45% das crianças da faixa etária de 10 a 12 anos são sedentárias. Estudo realizado em Florianópolis com crianças entre 8 e 11 anos apontou que elas passavam entre 3,1 e 3,6 horas por dia em frente à televisão ou computador, ou seja, quase o dobro da permanência recomendada pela OMS. Esta situação é preocupante, pois alguns pesquisadores apontam que passar muito tempo em frente às telas pode causar obesidade, queda na qualidade da higiene bucal e problemas de relacionamento e baixa autoestima.


Outro fator que o excesso de tempo na frente das telas pode causar é a miopia. Estudos realizados com adolescente, nos Estados Unidos e Singapura, apontam que quanto maior o tempo gasto em atividades ao ar livre, menor a ocorrência de miopia.


Importante ressaltar que a saúde e qualidade de vida das crianças está diretamente relacionada com os hábitos dos pais. Um estudo afirma que ter pais obesos dobra a chance das crianças tornarem-se adultas obesas. Portanto, o exemplo é fundamental.

Diante deste cenário, fazer trilhas é um caminho para melhoria da saúde. Estudos apontam que o simples convívio na natureza traz diminuição na pressão sanguínea, diminuição nos níveis de estresse e fortalecimento do sistema imunológico. Estes benefícios logicamente são potencializados quando se faz exercícios na natureza, como a realização de trilhas. Essas atividades são tão agradáveis que as crianças nem percebem que estão se exercitando.


Outros estudos apontam que crianças que brincam em ambientes naturais demonstram melhoria no sistema motor, incluindo coordenação, equilíbrio e agilidade. Já para os adolescentes, que tem preocupação com a imagem do seu corpo, com a sexualidade e identidade, a realização de trilhas permite relaxamento, gasto de energia e possibilitam a reflexão sobre suas necessidades e desejos.

A dificuldade de relacionamento entre pais e filhos e entre os irmãos também pode ser melhorada através da realização de atividades na natureza. Quando realiza-se trilhas estimula-se a cooperação entre todos os participantes. Estudo de Chiara D’Amore, demonstra que a realização de trilhas traz efeitos positivos na satisfação dos pais com a vida familiar, especialmente no tempo despendido junto com os filhos, compartilhamento de experiências positivas e senso de eficiência no cuidado com os filhos. E estes benefícios não são exclusivos no relacionamento intrafamiliar, também traz benefícios nos relacionamentos externos destas famílias, especialmente em relação ao desenvolvimento de amizade com outras famílias e o senso de conexão com a comunidade.


Todos estes fatos comprovados cientificamente não são só teorias, são sentidos por nós, no dia a dia. Que tal, vamos levar as crianças para a natureza????


BAKLIEN, B.; YTTERHUS, B.; BONGAARDT, R. When everyday life becomes a storm on the horizon: families’ experiences of good mental health while hiking in nature. Anthropology & Medicine. v.23, n.1, p. 42-53, 2016.


D’AMORE, C. Family Nature Clubs: Creating the conditions for social and environmental connection and care. 2015. 432 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Prescott College, Prescott, 2015.


GONCHAROVA, N. N.; BUTENKO H. A. Substantion and workin out of recreation health related technology on the basis of health related hiking and orienteering for junior school age children. Pedagogics, psychology, medical-biological problems of physical training and sports. v. 19. p. 26-32. Nov. 2015.


MITTEN, D. et al. Hiking: A low-cost, accessible intervention to promote health benefits. American Journal of Lifestyle Medicinte. V.12, n.4. p. 302-310. Jul. 2018.


MPHIL, L. E. M. et al. Using nature and outdoor activity to improve children’s health. Current Problems in Pediatric and Adolescent Health Care. V.40, n.5, p. 101-118, Maio. 2010.


NESTLÉ. Crianças e sobrepeso. Disponível em: <https://corporativo.nestle.com.br/historias/ criancas-e-sobrepeso>, Acesso em: 05 set. 2020.


PERES, P.M.S. Percepção da interação criança-natureza por cuidadores no parque municipal da Lagoa do Peri, em Florianópolis, Santa Catarina. 2013. 132 f. Dissertação (Mestrado em psicologia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

POETA, L.S. et al. Intervenção interdisciplinar em crianças obesas e o impacto na saúde e qualidade de vida. Jornal de pediatria. v. 89, n.5, p. 499-504. 2013.


TILLMAN, S.; CLARK, A. F.; GILLILAND, J. A. Children and nature: Linking accessibility of natural enviornments and children’s health-related quality of life. International Journal of Environmental Research and Public Health. v.15, n.6, p. 1-15; 2018.



Rua Cel. Ivan Dentice Linhares, 405

Florianópolis -SC

88080-600

CNPJ: 40.887.710/0001-08

whatsapp-logo-icone.png

(48) 99954-9647

(48) 4141-0450

  • Instagram
  • Facebook
  • YouTube
  • wiki